Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Letters and words

Letters and words

Croácia - a cidade de Zagrebe

Caro Leitor,

a capital da Croácia é uma cidade tímida que, como capital, não se impõe como outras o poderão fazer, que não deixa o turista com a impressão avassaladora de grão de areia num deserto. Zagrebe é simpática. Bonita sem o ostentar, calma sem adormecer o turista, barata mas com qualidade,  e interessante na sua configuração e na existência de diferentes zonas turísticas sem fazer o turista enlouquecer com mapas e GPS (em Zagrebe, por breves minutos, a dada altura pensei que estava numa outra cidade, tal é a diversidade de espaços).  O povo na sua maioria é simpático, apesar de termos sentido na pele dois casos menos positivos.  O tempo em agosto é quente mas agradável - 38º graus foi a média que encontramos.

croatia.jpg

 

Ficamos num hotel perto da estação de autocarros para o caso de precisarmos, o que não se observou, visto que o hotel foi muito simpático, ágil e útil, e prontamente nos providenciou um carro para alugar. Subimos ao quarto para colocar as as malas e quando descemos já tínhamos os valores do aluguer. E ainda que a transação fosse inicialmente algo suspeita (estão a ver quando nos filmes há uma qualquer transação com um individuo da Europa de Leste?) tudo correu bem e o carro estava à nossa espera na manhã do dia seguinte.

O primeiro dia - tarde de dia 1 de agosto - foi para ver a parte baixa da cidade. Teríamos despachado grande parte da cidade se não fosse o aluguer do carro e as obras de requalificação da linha do elétrico. O plano era apanhar o elétrico em frente à estação de camionetas e ir até a praça. O trajeto poderia ser feito a pé - como nos informou o rececionista, mas, como tínhamos muito ainda para ver, resolvemos ir de transporte público. Seguindo o conselho do rececionista, compramos os bilhetes (livrinho de 10 bilhetes) num quiosque - perto da estação de camionetas-  e não no elétrico pois será muito, muito mais caro. Bem, o plano era apanhar o elétrico. Esperamos e desesperamos 40 minutos por um elétrico que nunca por lá passaria - como mais tarde nos informaram. Aquele que pretendíamos não passaria por ali uma vez que a sua linha estava a ser requalificada. Seguindo as indicações de um local que nos viu a desesperar na espera e nos veio ajudar, acabamos por chegar onde queríamos. Do elétrico vislumbramos os espaços verdes, os monumentos, e saímos na praça Ban Jelacic, praça central de capital. É aqui que tudo acontece e os turistas amontoam-se perto da estátua do herói nacional. Curiosidade A estátua equestre estava antigamente virada a norte, e Ban apontava com a sua espada para a Hungria. contra os invasores húngaros. Foi mais tarde retirada, durante o período da II República Jugoslava, e quando foi reposta, em 1991, colocaram-na virada  para sul.

IMAG2979.jpg

IMAG2977.jpg

 

 

O plano a partir daí  era visitar no sentido inverso, vendo as ruas e monumentos até passarmos pelo restaurante e para depois voltarmos para o hotel. Seguimos pela Lenuci, também conhecida por Parque Green Horseshoe, devido à sua configuração em forma de U.l 

5e70fe224d64841d6aca93663904c068_XL.jpg

 

Aqui para além dos espaços verdes, parques e jardins, dos edificios arquitetonicamente belos e museus, podemos ver os habitantes locais, que, pelos vistos, aproveitam por jantar por ali.

IMAG2993.jpg

IMAG3011.jpg

IMAG3020.jpg

 

Jantamos no Kelly's Grill, famoso pelos seus hamburgers, que fica perto desta zona. Pelos vistos os zagrebinos jantam muito cedo e por volta das 9h já não havia batatas para acompanhar o nosso hamburguer. Não que ele precisasse, as it turned out.

A caminhada de volta ao hotel fez-se tranquila por ruas e ruelas, com vias em requalificação e muros grafitados. Soube bem. O calor e o repasto convidava à caminhada. 

A incursão mais profunda pela capital ficaria adiada para o último dia de estadia. O dia seguinte ia ser huge.

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.