Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Letters and words

Letters and words

Old school - 10

4286ea53ab2ec329784681552be07651.jpg

 

 

 

Caro Leitor,

o tempo é escasso e a vida foge-nos...

Isto podia ser o início de uma longa carta de reflexão sobre a vida e a nulidade de algumas... Mas não desista de ler já. Não é uma dessas cartas. É só uma desculpa para a minha ausência e para a quase falta de pontualidade para escrever este post mensal - sim, eu disse mensal, que isto de escrever diariamente num blogue que não paga não é para toda a gente. 

O filme que trago este mês é um filme do meu imaginário infanto-juvenil. Não posso atestar a sua qualidade - quando o vi era uma miúda inocente que adorava descobrir mundos secretos e de mansões do countryside inglês - e ainda não tive oportunidade de o rever.

The Secret Garden de 1993 é um filme que combina a magia da descoberta de um mundo só nosso com a descoberta dos valores basilares como a amizade, o amor. O filme é baseado no livro do início do século XX de Frances Hodgson Burnett com o mesmo nome.

Mary Lennox, educada na Índia, regressa a Inglaterra depois de ter ficado órfã para viver com um tio pouco afável que nunca conhecera- onde é que eu já vi algo parecido? Negligenciada pelos pais, Mary não é uma criança doce e feliz e a sua nova situação (as regras da sua nova casa, o confinamento ao seu próprio quarto e o facto de o tio estar grande parte do tempo fora - onde é que eu já vi isto?)  não parece que irá mudar o seu comportamento.

Deixada sozinha grande parte do tempo, Mary encontra na casa e nas imediações espaços suficientes para partir à aventura. Nas suas aventuras, trava amizade com um rapaz do campo, Dickon, totalmente diferente dela mas que mesmo assim a aceita - muito familiar esta parte -,  descobre um jardim secreto e tenta com a ajuda de Dickon fazê-lo renascer. Descobertos os segredos das imediações, falta descobri o segredo da mansão. A curiosa Mary rapidamente descobre o que se esconde na mansão: um primo, Colin, filho do seu tio Lord Archibald Craven que desde cedo fora tratado como um inválido e que, confinado ao seu quarto e à sua cama, se tornara temperamental, egoísta e rude. Com a ajuda dos dois amigos, Colin consegue entrar no jardim secreto e recuperar a sua saúde - mesmo muito familiar esta parte.

O história termina com a regeneração de todos, da família e dos laços que unem todos os envolvidos. Tudo acaba bem, ou não fosse isto uma história para crianças.

As imagens idílicas tanto do countryside inglês como do jardim ainda hoje habitam em mim, principalmente o jardim, com a sua entrada secreta e o baloiço. O jardim já inspirou a minha escrita e a música que faz parte da banda sonora também libertou a minha imaginação no passado. A minha preferida da altura é a interpretada por Linda Ronstadt,  Winter Light. O tom melodioso da canção transporta-nos para a magia da infância, da descoberta e da aventura.

Este filme conta ainda com a participação da talentosíssima Maggie Smith.

Apraz-me pensar que este filme ainda pode ser um favorito das nossas crianças.

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.