Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Letters and words

Letters and words

The baby clock

Caro Leitor,

 

Boss-Baby-poster.jpg

 

Mais uma vez reporto a minha experiência de um filme de animação. The Boss Baby foi uma surpresa, só não sei bem que tipo de surpresa foi.

Não é um filme cheio de gargalhadas - aliás durante os primeiros 40 minutos do filme achei que as crianças da sala tinham fita adesiva colada sobre a boca. E, parafraseando o meu afilhado, a segunda parte foi bem mais interessante.

Não é o filme que se espera após a visualização do trailer. Cheguei à sala de cinema à espera de um boss de uma qualquer companhia que se teria transformado, vá lá saber-se por que razão,  num bebé e afinal o enredo está longe disso.

No entanto, tem rasgos de inteligência. O tema do filho único que de repente se vê com um irmãozinho e deixa de ser o centro de atenções dos seus pais está criativamente bem desenvolvido. A criatividade apurada do miúdo, perfeitamente justificada dada a fase da vida do mesmo, é também instrumento que justifica o comportamento Fast and Furious dos irmãos - se vir o filme perceberá.

Surgem umas piadas para os adultos que acompanham os miúdos, mas confesso que nenhuma me ocorre no momento da escrita desta carta. No entanto, adorei a breve referência à Bela e o Monstro (fácil de perceber para os adultos e para as crianças)- veja lá se a descobre.

Não me parece ser um filme super interessante para as crianças, que não percebem ainda as rivalidades ou os ciúmes da chegada de um novo membro da família. As vivências retratadas eram mais reconhecíveis para os pais (o acordar a meio da noite, a reviravolta na gestão do tempo e na gestão dos carinhos ao filho mais velho, a subordinação ao bebé que controla os  passos e gestos dos pais, que embebecidos pela carinha angélica se deixam levar...), mas não é um filme para os pais.

Moral da história: mesmo que os ciúmes surjam no momento em que o novo membro da família chega ao lar, o amor prevalecerá. Mesmo que este filme não tenha sido particularmente especial, o amor (pela animação) prevalecerá. Outros visionamentos se seguirão, por certo.

P.S. A versão original deve ser mais divertida. O Alec Baldwin está HUUUGE este ano! :)